Texto por Colaborador: Redação 29/01/2024 - 00:00

O presidente da UEFA, Aleksander Čeferin, deu uma longa entrevista ao jornal britânico nas últimas horas, falando sobre vários temas, incluindo a Superliga e a atual gestão do Fair Play Financeiro. Estas são as suas palavras sobre o assunto.

Vamos falar sobre o tema quente anterior: a decisão da Super League do Tribunal de Justiça Europeu em dezembro. Alguma coisa te surpreendeu naquele dia?

"A principal coisa que me surpreendeu e decepcionou foi o comunicado de imprensa, que foi completamente diferente da decisão. Recorremos ao tribunal sem muito sucesso. A decisão é melhor para a UEFA do que para a outra equipe. Tudo isso que os A22s (os torcedores da Superliga) fazem é andar por aí, filmar-se, tentar dar entrevistas. Enquanto isso governamos o futebol. Estamos construindo propostas, enfrentamos muitos problemas, o lobby é provavelmente o trabalho principal deles, mas não o nosso. Este é um não-projeto, algo que nunca acontecerá, porque ninguém o quer. Nenhum tribunal, nenhuma polícia e nenhum exército podem forçar as pessoas a aceitar algo que é tão sem sentido. A história desta chamada Superliga é a história do nosso sociedade: a questão de saber se o dinheiro pode comprar tudo Conheci uma senhora idosa na rua, no meu país, a Eslovénia, após a primeira tentativa em 2021. Ela tinha 80 ou 90 anos, não acompanhava futebol há muito tempo. Ele me parou e disse: “Obrigado por parar esses bastardos”.

[...]

Eles dizem que têm 20 clubes prontos para jogar. Se todos anunciassem planos de fuga amanhã, isso colocaria a UEFA numa posição negativa, depois de pensarem que os tinham impedido.

"Em primeiro lugar, eles não têm ninguém. Tinham 50, 20, 200, são piadas que não nos interessam. Mas insisto: nunca dissemos que eles não podem jogar a sua própria competição. Deixe-os jogar, mas eles não querem jogar. Eles falam em criar algo e então são os primeiros a se inscrever para jogar em nossa competição. Eu pediria a eles que não jogassem em nossa competição e começassem a trabalhar na deles junto com qualquer clube que eles têm. Não entendo o que os está impedindo."

Em 2021, muitos partidos, incluindo a UEFA, receberam o crédito por interromper a Superliga à porta fechada. No final, porém, se os fãs não tivessem se levantado, tudo teria dado certo?

"Não acho que teríamos conseguido, mas tenho certeza de que teria levado mais tempo e esforço para impedi-lo. É simplesmente anti-futebol. É difícil dizer (o que teria acontecido) se os torcedores tivessem 'Não estive lá porque os torcedores fazem parte do futebol. É difícil dizer: "Se os torcedores não estivessem lá, se a UEFA não estivesse lá..." Mas os torcedores foram cruciais, também pelo apoio político estão interessados no que os fãs dizem porque os fãs votam."

[...]

De que outra forma você pode melhorar as coisas para aqueles que não estão entre os poucos mais ricos?

"Acho que o Fair Play Financeiro (FFP) funciona bem. Limitamos os clubes a gastar 70% de suas receitas em salários, transferências e agentes. Mas você precisa saber uma coisa: nosso principal jornal (na Eslovênia) tem l "1% dos seus leitores. Como você implementa o fair play financeiro no mercado de mídia? Mercados são mercados e é impossível fazer algo quando um clube esloveno está no mesmo nível financeiro ou semelhante ao dos clubes ingleses. É difícil reduzir o diferença entre o grande e o pequeno, mas podemos impedir o seu crescimento ou pelo menos tentar controlá-lo. Tentamos com o FFP e, claro, com o fato de agora 36 clubes se qualificarem para a fase de grupos nas nossas três competições masculinas do futebol é que David pode vencer Golias."

Há anos que fala de um teto salarial a nível europeu. Parece que se trata de encontrar uma solução que deixe todos igualmente infelizes. Há alguma esperança de prosseguir?

"É uma questão difícil. Um ponto de vista é a parte jurídica, onde a UE é bastante complicada. A segunda é que, com o dinheiro vindo agora da Europa, se limitarmos significativamente os clubes europeus, é uma questão de competitividade futura. Portanto, não estamos perto do teto salarial. Os clubes pequenos não se importam, alguns grandes querem, outros não, e os médios querem. É uma situação bastante descoordenada."

[...]

(theguardian. com)

Categorias

Ver todas categorias

Você aprova o nome de Slot para comandar o Liverpool no lugar de Klopp?

Sim

Votar

Não

Votar

2751 pessoas já votaram