O Brexit já teve um impacto no qual os clubes de transferências da Inglaterra podem tentar finalizar no futuro - mas também pode afetar as decisões no banco de reservas.

Autorizações de trabalho, recursos e regulamentos não são novidade em relação às transferências para o exterior de clubes da Premier League.

Mesmo nesta temporada e recentemente, os Reds foram afetados por contratações que sabem que não podem usar: Taiwo Awoniyi ainda está emprestado por nunca ter tido a chance de representar os Reds, o meio-campista brasileiro Allan saiu sem uma partida no Red e nomes como Mark Gonzalez e Brad Friedel viram mudanças atrasadas no passado, enquanto aguardavam limites suficientes para uma autorização de trabalho.

Tudo mudou agora após o Brexit, com diferentes critérios aplicáveis ​​aos jogadores de diferentes nações que podem ingressar em clubes na Inglaterra.

Mas pouco foi confirmado sobre as nomeações mais experientes: os treinadores, gerentes e até diretores esportivos podem agora conseguir empregos em clubes da Premier League, e abaixo da pirâmide.

Não é uma boa leitura, especialmente para equipes fora da elite.

O Mail informa que as novas regras dizem que os treinadores devem ter trabalhado nas “Ligas Superiores” - competições não especificadas em toda a Europa nos últimos dois anos, ou três dos últimos cinco - ou ter sido um técnico a nível internacional nos cinco anos.

Embora não tivesse afetado as escolhas recentes dos Reds, fora de Anfield, o Man United não teria sido capaz de nomear Ole Gunnar Solskjaer, que veio de Molde, na Noruega, e o lendário Marcelo Bielsa não teria sido elegível para o Leeds como ele não completou três anos completos nos cinco anteriores antes de se mudar para Elland Road.

Daniel Farke do Norwich, que se juntou ao time B de Dortmund, e inúmeros outros na segunda divisão e abaixo que se mudaram de nações menores ou clubes no exterior, também não teriam permissão para ser nomeados de acordo com as regras.

Isso se estende às nomeações da equipe técnica e até mesmo às contratações de alta hierarquia para clubes que possam estar buscando recrutar especialistas em recrutamento e diretores.

É mais uma evidência de que o jogo pode estar mudando - ou de que as decisões só vão favorecer um determinado grupo de clubes, diluindo o pool de talentos disponíveis trabalhando no país.