Texto por Colaborador: Redação 17/05/2024 - 00:15

Está crescendo a pressão sobre a Premier League para realizar uma audiência sobre as 115 acusações feitas ao Manchester City.

A equipe de Pep Guardiola está prestes a conquistar o quarto título consecutivo da Premier League depois de superar o Arsenal após uma vitória por 2 a 0 sobre o Tottenham Hotspur na noite de terça-feira.

No entanto, o recente sucesso sem precedentes do City na Premier League tem como pano de fundo algumas acusações bastante pesadas que foram feitas ao time do Etihad em fevereiro de 2023.

Eles são acusados de desrespeitar as regras do Fair Play Financeiro (FFP) da Premier League 115 vezes entre as temporadas 2009/10 e 2017/18.

Todavia, depois de a Premier League ter acusado formalmente o Manchester City em Fevereiro passado, o clube disse estar "surpreso com a divulgação destas alegadas violações" e que possui "um conjunto abrangente de provas irrefutáveis que existem em apoio à sua posição".

No entanto, apesar do brilhantismo de jogadores como Phil Foden, Kevin De Bruyne e Erling Haaland colocarem o City à beira do sexto título em sete temporadas sob o comando de Guardiola, as conquistas do City estão compreensivelmente ensombradas por uma nuvem cinzenta provocada pela extensa lista de acusações feitas pela Premier League.

Em abril, o CEO da Premier League, Richard Masters, revelou que foi marcada uma data para um painel independente ouvir o caso do City. Entretanto, quando pressionado para obter mais detalhes, Masters respondeu: "Não podemos comentar o caso, a data está definida. O caso será resolvido sozinho em algum momento no futuro próximo."

Agora, porém, cresceu a pressão sobre o Masters e a Premier League para chegarem a uma resolução logo depois que Nottingham Forest e Everton foram rapidamente atingidos por deduções de pontos nesta temporada como resultado de quebrarem as regras do PSR da Premier League.

“Posso [compreender a frustração dos apoiadores sobre o tempo de duração da investigação]. Posso, mas são acusações muito diferentes, é tudo o que diria”, disse Masters no início deste ano. “Se algum clube, seja ele o atual campeão ou não, violasse as regras de gastos para o ano de 2023, estaria exatamente na mesma posição que Everton ou Nottingham Forest.”

Se o City for considerado culpado de violar qualquer uma das regras do Fair Play Financeiro durante um período em que conquistou quatro títulos da Premier League – incluindo em 2014, às custas do Liverpool – é impossível dizer que medidas poderão ser tomadas contra o clube.

Porém, foi relatado que é improvável que qualquer punição seja retroativa e, como resultado, o Liverpool não receberia o título da Premier League de 2013-14.

Embora uma dedução de pontos e/ou rebaixamento da Premier League possa ser um cenário "muito real", de acordo com Martyn Ziegler, que escreveu no The Times em novembro passado: "Dada a sanção aplicada ao Everton, a ameaça de uma penalidade de 30 pontos a dedução ou o rebaixamento automático da Premier League pareceriam muito reais tanto para o City quanto para o Chelsea, caso as acusações fossem provadas em uma comissão reguladora independente."

Claro, nem é preciso dizer que há pouca jurisprudência a ser considerada quando se trata do julgamento do Manchester City, dada a natureza das acusações.

O futebol europeu já mostrou anteriormente que não tem medo de fazer dos seus clubes mais bem-sucedidos um exemplo, com a Serie A a atirar o livro à Juventus, depois de terem sido alegadamente envolvidos no escândalo de manipulação de resultados do Calciopoli que abalou o futebol italiano no início. Década de 2000.

Como punição pelas alegadas irregularidades, a Juventus perdeu o título da Série A de 2005/06, que mais tarde foi concedido ao vice-campeão Inter de Milão. Os Bianconeri também foram rebaixados para a Série B e começaram a vida na segunda divisão com uma dedução de 30 pontos, posteriormente reduzida para nove após um apelo bem-sucedido.

via ECHO